Flanelinhas pedem alternativa para continuar atuando após o Zona Azul

11/04/2012 13:49

Guardadores e Lavadores de carro temem com a extinção da categoria após a implementação do projeto Zona Azul no Centro de Manaus, no Vieiralves e São Geraldo.

Flanelinhas pedem alternativa para a categoria na Câmara Municipal de Manaus.

Manaus - Com faixas e pedidos de ajuda, cerca de 20 flanelinhas representando vários pontos de estacionamento da capital compareceram na manhã desta quarta-feira (11) para discutir juntamente com os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) o destino deles depois que o projeto Zona Azul for implantado na cidade. 

A Prefeitura de Manaus regulamentou, no Diário Oficial no último dia 30 de março, a Zona Azul, projeto do Sistema de Estacionamento Rotativo Pago, que vai cobrar R$ 2 por uma hora de utilização e R$ 4 em duas horas em 37 logradouros no Centro da cidade e outros 11 em vias do São Geraldo e Vieiralves. 

Para o presidente geral da Associação dos Guardadores e Lavadores Autônomos de Veículos Automotores do Estado do Amazonas (Aglavam), Henrique dos Santos, o maior motivo da audiência é clamar por socorro para que os flanelinhas não fiquem sem emprego. "Estamos aqui pedindo ajuda e força por parte dos vereadores da casa para que nós pais de família tenhamos garantia de emprego com esse novo projeto no Centro", afirmou. 

Compra de bilhetes seria a solução

De acordo com o presidente da Aglavam, a solução para que os mais de 2 mil flanelinhas não fiquem sem seus empregos seria a cobrança do valor de estacionamento no Centro com a compra de bilhetes para revenda de horas por parte da empresa que irá ganhar a licitação do projeto. 

Para Henrique, o pedido feito pelo prefeito com apoio dos vereadores de liberação de venda de bilhetes para revenda solucionaria o problema dos guardadores de carro no Centro de Manaus. "Está no Diário Oficial que os bilhetes podem ser impressos e também eletrônico. Sugiro à empresa e ao prefeito que esses bilhetes possam ser liberados para que possamos fazer a compra e continuarmos o nosso trabalho no Centro", declarou.

Contratação dos flanelinhas

Na tribuna, o vereador Elias Emanuel (PSB) se mostrou preocupado com o futuro dos guardadores de carro e disse que a fiscalização quanto a quem vai ganhar a licitação da Zona Azul deve existir por parte da CMM. "Temos que pedir do prefeito que a empresa ganhadora da licitação, possa olhar para os flanelinhas e garantir emprego para esses trabalhadores autônomos", disse.  

O vereador Joaquim Lucena (PSB) afirmou temer que os flanelinhas sejam expulsos do Centro de Manaus assim como aconteceu com os ambulantes na Ponta Negra. "Retiraram os trabalhadores da Ponta Negra e prometeram dar a eles um emprego assim que a nova empresa que ganhasse a licitação entrasse, porém, na verdade foram enganados. Acredito que o mesmo vai acontecer com os trabalhadores do Centro", declarou.

Para o vereador Mário Frota (PDT), a ideia de privatizar os principais pontos de Manaus é um jogo de cartas marcadas e relembrou o caso da licitação do UAI que hoje toma conta da Ponta Negra. "O prefeito está fazendo isso para beneficiar amigos como fez com o caso da Ponta Negra. Daqui a pouco, vão privatizar até os Cemitérios e os defuntos vão pagar por isso. É ilusão os flanelinhas acharem que isso vai ficar nas mãos deles",  afirmou.

Maior rotatividade no Centro

De acordo com dados dos vereadores, com a implementação do projeto Zona Azul, a Prefeitura de Manaus pretende ampliar em mais de dez vezes as oportunidades de vagas em no Centro da cidade, passando das atuais 2.400 vagas para 20.400, devido à rotatividade que haverá.

O próximo passo a ser tomado, de acordo com os vereadores, é levar o caso dos flanelinhas ao conhecimento do prefeito para que haja uma análise da melhor forma de ajudar os atuais trabalhadores autônomos do Centro.