Os concurseiros barés e a busca pela carreira pública

15/04/2012 15:36

Conheça os aficionados em concursos públicos que acompanham os novos editais, as ‘manhas’ e as dicas para garantir a aprovação nos certames. Saiba mais sobre a banca organizadora das provas

[ i ] Os concurseiros Adams Rebouças, Amom Nascimento, Ezequiel Rodrigues e Thiago da Silva quando estão em ritmo acelerado de estudos dispensam as ‘saidinhas’ para as baladas para um melhor rendimento nas matérias

Manaus - Certamente você já ouviu a seguinte frase: “O 2012 é o ano dos concursos públicos”. E a sentença é a mais pura verdade. Vários editais estão disponíveis e milhares de candidatos continuam na disputa da tão sonhada vaga no setor público.

Bons salários, carga horária de trabalho reduzida e estabilidade empregatícia. Estas são apenas algumas vantagens que a carreira pública oferece. Em busca de garantir o seu espaço, a PLUS apresenta uma turma disciplinada quando o assunto é estudar.

“Se eu for ao dentista eu não sei se irão me atender logo. Por isso, levo sempre um livro para estudar a todo o lugar que vou. Irão me chamar de antissocial, mas faz parte”. O dono da declaração é Adams Rebouças, que na busca pela carreira pública, já realizou dez concursos públicos. Apesar de não ter sido aprovado em nenhum destes, o jovem não desanima e continua a maratona de estudos.

Atualmente, ele se dedica a estudar para o cargo de analista de nível Superior do Supremo Tribunal de Justiça de Brasília, considerado por ele um concurso de escada – um degrau para a estabilidade financeira e para continuar estudando para os próximos.

“Os cargos em Brasília são federais, o que permitem que a pessoa seja transferida para outro Estado, dependendo da política do órgão”, afirma o concurseiro.

A rotina de estudos de Adams começa a partir do momento que sai do trabalho, às 15h. Como ele já estudou em cursinhos, utiliza as apostilas como fonte de informação.

“É uma questão de aproveitar o tempo, de se organizar mais. Eu, por exemplo, não saio para a balada durante a semana, e quando saio nos fins de semana não costumo beber, porque o dia posterior de estudos será afetado”, garante o estudante, que é enfático ao dizer que os amigos ficam chateados quando ele recusa convites para sair.

“Quando eu for aprovado, pago uma churrascada para eles (amigos) e tudo bem”, conta aos risos. O jovem decreta que o importante é ter foco e não desistir. Estudar tudo de uma só vez também não vai ajudar muito. O ideal é equilibrar a disciplina com o tempo hábil. “Você só precisa acertar uma vez!”, concluiu.

Inspiração dos candidatos

Assim como a maioria, Amom Nascimento se sentiu motivado a passar nos concursos por conta da estabilidade empregatícia, salário e benefícios. “No setor público, você não corre o risco de ser demitido da noite para o dia. Um cargo na área pública não tem preço.”, explica o candidato, que atualmente estuda para os editais da Secretaria de Cultura do Estado (SEC) e Universidade Federal do Amazonas (Ufam). “Meu pai foi uma das minhas maiores inspirações. Ele passou em primeiro lugar no concurso da Prefeitura em 1996, não participou de cursinhos e estudava apenas em casa”, afirma o jovem, que já realizou seis concursos e que sonha com um cargo nos poderosos órgãos da Secretaria de Fazenda (Sefaz) e Tribunal Regional  Eleitoral (TRE-AM).

Sobre o conteúdo estudado, o candidado graduado em Língua Portuguesa afirma que algumas leis específicas para educação são difíceis de encontrar em livros e consegue apenas por meio da internet.

A maratona de estudos é realizada em cerca de uma a uma hora e meia de aula por dia. “Mesmo com o reforço do cursinho, o candidato tem que estar estudando em casa. Às vezes é preciso abrir mão de algumas festas e encontros com os amigos para estudar mais e conquistar seus objetivos. Depois da aprovação, a gente curte, festeja. Mas, por enquanto, o melhor é estar focado”, conclui Amom.

Já Thiago da Silva tem como referência o irmão mais velho, que foi aprovado para o cargo de juiz em Porto Velho, Rondônia. O concurseiro afirma que apesar dos gastos com  viagens e despesas extras, valeu a pena o investimento do irmão para garantir a aprovação.

No momento, Thiago se dedica a estudar as disciplinas básicas dos concursos, por não estar interessado em nenhum edital  disponível. “Tive que escolher entre fazer uma nova graduação e me dedicar aos concursos. Preferi estudar para a carreira pública. Estudar sem estabilidade é complicado”, explica o concurseiro, que já recusou vários convites para ir para a balada em vésperas de provas. “Alguns amigos debocham, mas outros apoiam”, enfatizou o jovem que é atraído pela estabilidade financeira da carreira.

Ex-funcionário do Distrito Industrial

Motivado pelos familiares do pai, que em sua maioria são funcionários públicos e possuem uma vida estável, Ezequiel Rodrigues já participou de 12 concursos, sendo aprovado para a Polícia Militar em 2003, para o Tribunal de Justiça do Amazonas em 2005 e Secretaria Municipal de Educação (Semed) ano passado. O concurseiro conta com orgulho que estreou no novo emprego na última quinta-feira (12).

Ele revela que não estuda em cursinhos, só por conta própria. “Eu estudo cerca de duas horas um livro e, em seguida, quando a atividade começa a ficar cansativa, assisto a uma videoaula. Também escuto aulas no meu MP3”, explica Ezequiel, que enfatiza ainda que a rotina segue até o sábado.

No domingo ele realiza apenas uma leitura superficial para manter o ritmo de estudos.  Ele, que já foi funcionário da linha de produção de uma empresa do Distrito Industrial, conta que nas empresas privadas o trabalho é bem mais ‘puxado’. “Num dia você pode estar empregado e no outro não. Na crise de 2008, muitas pessoas estavam inseguras com respeito ao emprego”, ressaltou.

Preparador físico

Quem pensa que depois de passar na prova objetiva a prova prática será moleza, se engana. Sérgio Nazareno, preparador físico de concurseiros, afirma que a preparação deve iniciar com  no mínimo dois meses de antecedência, principalmente no caso das mulheres.

No último concurso realizado pela Polícia Federal, por exemplo, 36 mulheres passaram na prova discursiva, porém, apenas seis foram aprovadas no exame prático. Para acelerar o passo para a aprovação, Sérgio aplica atividades como barras, corrida e natação a seus alunos e candidatos à carreira pública.

Para quem prefere as aulas na academia, ele dá a dica: “Na academia, o candidato aumentará só em tamanho, quando na realidade, ele precisa fazer um trabalho de resistência do corpo”. Sérgio já treinou candidatos das Polícias Civil e Militar e até para controlador de voos.

Particularidades das bancas

Fundação Carlos Chagas Hiran de Paula, professor de Direito Administrativo, revela o segredo da FCC. “As provas são praticamente ‘Ctrl C e Ctrl V’ dos livros de Direito Administrativo de Celso Antônio Bandeira de Mello e de  Maria Silvia Zanela de Pietro”, afirma. As questões dos livros sempre compõem as provas da Carlos Chagas.

Geralmente as provas possuem cerca de 40% das questões de Língua Portuguesa. A prova do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), aplicada em 2010, possuía 38 questões somente de português.

A banca inclusive usa como critério de desempate, mais do que as disciplinas específicas, entre candidatos a pontuação de Língua Portuguesa. Outra particularidade são as questões de interpretação de texto, que são bem complexas. Pode-se notar que outras bancas também estão aumentando os números de questões desta área, o que mostra a necessidade de domínio da matéria. 

Cespe

Eles exploram as quatro fontes do Direito – Lei, Doutrina, Jurisprudência e os Costumes. “Tem que prestar muita atenção porque ela começa o enunciado corretamente e depois muda a estrutura do item”, garante Hiran. Ela é considerada uma das mais temidas pelos concurseiros por ter questões complexas e com grandes introduções. Todo o cuidado ao responder as provas da Cespe é válido.

Isso porque o sistema de penalidade é bem rígido - ao marcar uma questão errada, ela anula automaticamente outra certa. Ou seja, se você acertou 80 questões e errou 20, ao todo você terá contabilizado 60 respostas certas. Para ter êxito na prova a  dica é: não marque a resposta se você não tem certeza, mas cuidado, ao deixar mais de dez questões sem resposta, você poderá ser reprovado

Cetro

A tradição da banca são as provas das prefeituras e são relativamente fáceis. “O conteúdo é bem explícito e enxuto. Por exemplo, quando ela incluir a matéria do ‘Estatuto do Servidor’, ela especifica qual o assunto dentro do conteúdo a ser estudado. Ela estrutura os assuntos do edital para que o candidato possa estudar durante os 30 ou 60 dias para a prova”, explica o professor. São poucas questões hipotéticas, cerca de 80% é letra da lei. Segundo Hiran, não tem muito mistério.

Fundação Getulio Vargas

A banca evidencia muito a parte teórica – conceitos. Desde 2010, ela começou a explorar os conteúdos programáticos cobrados por ela, por conta da grande concorrência devido à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). “É uma ótima bancada de especialistas que fazem toda a diferença na elaboração das provas”, afirma Hiran.

Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt- (Funcab - RJ)

Esta banca elabora questões bem estruturadas, sem  complexidade. Ela não fará ‘voltas’ para chegar à pergunta em questão. A objetividade é um dos pontos fortes da banca e as questões não são técnicas. Porém, não são inferiores ao nível de cobrança das outras bancas.

Dicas para passar nas provas

A editora Campus possui um arsenal de publicações para auxiliar os candidatos no estudo para as provas. Os livros abrangem diversas disciplinas que recheiam as avaliações. Veja alguns exemplares disponíveis para a aquisição. (www.editoras.com) /(www.livrariaconcursar.com.br)

1- Após a decisão, o candidato deverá colocar os estudos acima de qualquer atividade, mesmo a pressão externa (familiares ou amigos) seja intensa para fazê-lo se ‘distrair’. Por isso, é bom que a família apoie a decisão da pessoa e colabore quando ele precisar se ausentar em certas ocasiões para estudar

2 - Para iniciantes,  sugere-se estudos básicos em curso preparatório (presencial ou a distância) e estudos com bons livros para aprofundar os estudos. Na etapa posterior, somente os livros bastam;

3 - Alimentos pesados e altamente calóricos só irão prejudicar o apredizado porque deixarão o aluno sonolento e com a sensação de preguiça e cansaço. Para alguns, o cafezinho é sempre bem-vindo, mas para outros a ingestão deverá ser avaliada, já que a reação é diferente de pessoa para pessoa

4 - De fato, o estudo não é lá uma coisa muito prazerosa. Por isso, se você deu um ‘time’, a retomada será ainda mais difícil. Quem possui tempo reduzido, o recomendável é aproveitar todo o tempo disponível para os estudos e equilibrá-lo com uma atividade física (ainda que seja somente uma caminhada de 30 minutos); 

5 - Prepare-se fisicamente para as provas que geralmente duram de cinco a seis horas. O ideal é fazer esta preparação com tempo prolongado para se acostumar à  maratona;

6 - Selecione cada assunto por vez e os revise assim que terminar de estudar todas as matérias. Muitas pessoas preferem estudar um pouco de cada assunto por dia para não se entediar com algumas matérias. As revisões são bem mais rápidas, de forma que no fim dos estudos se consegue revisar todo o conteúdo em um só dia com leitura dinâmica;

7 - Os iniciantes nos estudos querem a coisa fácil e logo começam a estudar após o lançamento do edital. Selecionam os assuntos e compram publicações de pouco conteúdo que cubram o assunto. Os livros menores contêm apenas resumos, o que não irá estimular um bom desempenho na prova;

8 - Formação em uma determinada área não significa que o candidato esteja preparado para responder questões de sua formação. É o maior erro não estudar um assunto porque corresponde a sua formação. Todos os conteúdos precisam ser revisados e estudados;

9 - Não mude sua rotina bruscamente na véspera da prova. Se está acostumado a dormir às 1h, não vá para a cama às 22h. Você não conseguirá dormir neste horário e começará a pensar no conteúdo do concurso.

10 - Para concursos da área fiscal como Receita e Polícia Federal, o tempo recomendado de estudos é de duas horas, porque o conteúdo dessas provas contém disciplinas diversas. Para o conhecimento amadurecer, reserve duas horas de estudos.